Seguidores

24 setembro 2016

“As Formas Geométricas vão ao teatro…”



Era uma vez quatro formas geométricas chamadas triângulo, quadrado, retângulo e círculo que viviam na cidade.
Estes amigos inseparáveis adoravam ir à escola, pois gostavam muito das atividades e surpresas que a professora trazia.
Para eles, a escola era o melhor lugar para aprender coisas novas e brincar com os colegas.
Certo dia, o triângulo, o quadrado, o retângulo e o círculo decidiram ir ao teatro com os seus amiguinhos.
Quando lá chegaram, compraram os bilhetes e sentaram-se na primeira fila para verem bem a peça de teatro sobre os números.
Era uma peça muito divertida, onde as personagens entravam em cena vestida com as cores do arco-íris. Assim, os números surgiam à medida que eram contados pela plateia.
No fim da peça, o quadrado disse para os seus amigos:
– Bestial! Nunca tinha assistido a uma peça tão fantástica!... E vocês querem saber qual foi a parte da história que eu mais gostei?
E o triângulo, o retângulo e o círculo responderam:
– É claro que queremos saber! Conta-nos, conta-nos...
– Então, vou dizer-vos... A parte que mais gostei, foi quando contámos os números de 1 até 10.
– Olha que coincidência! Nós também adorámos essa parte. Para nós, foi uma experiência bastante engraçada e esperamos que haja uma próxima  vez!...
– Também eu espero meus amiguinhos!...
Como as formas geométricas tinham gostado imenso da ida ao teatro, prometeram voltar brevemente para assistir a outra peça.
Vitória, vitória! Acabou-se a história!

Susana Botas (2007)

http://aprenderabrincar1.com.sapo.pt/Historias.pdf

 Atividades

1. Como se chamam as formas geométricas?

2. Onde elas vivem?

3. Os amigos gostam muito da escola ou não? E por quê?

4. As formas geométricas decidiram ir aonde?

5. Quando chegaram ao teatro o que é que fizeram?

6. Qual foi a parte da história que gostaram mais?

7. Quantos lados têm o triângulo, o quadrado e o retângulo?

9. O círculo é redondo como uma (roda)

Fonte: amar e educar para o futuro.  http://www.guiagratisbrasil.com


11 setembro 2016

Atividades com o Calendário de Setembro


ATIVIDADES COM O MÊS DE SETEMBRO

1-      EM QUE MÊS NOS ESTAMOS?

2-      QUANTOS DIAS TÊM ESTE MÊS?

3-      EM QUE DIA DA SEMANA O MÊS COMEÇOU?

4-      QUE DIA DA SEMANA É HOJE?

5-      AMANHÃ SERÁ...



31 agosto 2016

Como o Solo é Formado



    O solo, também chamado de terra, tem grande importância na vida de todos os seres vivos do nosso planeta, assim como o ar, a água, o fogo e o vento. É do solo que retiramos parte dos nossos alimentos, ele atua como suportes à água e ao ar e sobre ele construíram as nossas moradias.
  O solo é formado a partir da rocha (material duro que também conhecemos como pedra), através da participação dos elementos do clima (chuva, gelo, vento e temperatura), que com o tempo e a ajuda dos organismos vivos (fungos, liquens e outros) vão transformando as rochas, diminuindo o seu tamanho, até que viram um material mais ou menos solto e macio, também chamado de parte mineral.
 Logo que a rocha é alterada e é formado o material mais ou menos solto e macio, os seres vivos animais e vegetais (como insetos, minhocas, plantas e muitos outros, assim como o próprio homem) passam a ajudar no desenvolvimento do solo.
 Eles atuam misturando a matéria orgânica (restos de vegetais e de animais mortos) com o material solto e macio em que se transformou a rocha. Esta mistura faz com que o material que veio do desgaste das rochas forneça alimentos a todas as plantas que vivem no nosso planeta. Além disso, os seres vivos quando morrem também vão sendo misturado com o material macio e solto, formando o verdadeiro solo.


A Composição do Solo



     O solo é composto de quatro partes: ar; água; matéria orgânica (restos de pequenos animais e plantas); parte mineral (que veio da alteração das rochas, ou seja, a areia da praia, o barro que gruda no sapato e o limo que faz as pessoas escorregarem).
Os quatro componentes do solo se encontram misturados uns aos outros. A matéria orgânica está misturada com a parte mineral e com a água.
Dentro do solo existem pequenos furinhos, que chamamos de poros do solo, onde ficam guardados a água e o ar que as raízes das plantas e os outros organismos necessitam para beber e respirar.
Como numa esponja que usamos para tomar banho, existem água e ar dentro do solo.

IBGE 
http://geografianovest.blogspot.com.br/

29 agosto 2016

Texto com Ortografia F/ V



A FORMIGA VIRIATA

VIRIATA É UMA FORMIGA FELIZ.
ELA MORA NUM BURACO, ATRÁS DO CANTEIRO DE ALFACE.
ELA ANDA SEMPRE AFOBADA PORQUE FAZ ENTREGAS NA FEIRA.
HOJE ELA LEVOU: COUVE, FEIJÃO, FARINHA E FUBÁ.
VIRIATA É UMA ÓTIMA VENDEDORA!

INTERPRETAÇÃO DA HISTÓRIA:

A-QUAL É O NOME DA FORMIGA?

B-ONDE ELA MORA?

C-POR QUE VIRIATA ANDA SEMPRE AFOBADA?

D-O QUE VIRIATA ENTREGOU NA FEIRA?


Sugestões de mais atividades F / V





Atividades com bilhete


20 agosto 2016

Lendas do Folclore Brasileiro.





O Saci-pererê é uma figura presente no folclore brasileiro, caracterizada por um menino negro e travesso que fuma cachimbo e carrega uma carapuça vermelha que lhe concede poderes mágicos. O saci tem apenas uma perna.

Lenda do Saci-pererê

O Saci-pererê é considerado um dos personagens mais conhecidos do folclore brasileiro. Ele se diverte fazendo brincadeiras com os animais e com as pessoas.
As principais travessuras são: trançar os cabelos dos animais, fazer sumir objetos, como os dedais das costureiras, e ainda, assobiar para assustar os viajantes.
Reza a lenda que costuma atrapalhar o trabalho das cozinheiras, trocando os recipientes de sal e açúcar ou fazendo-as queimar as comidas.
Além de suas travessuras, é importante notar que o Saci tem o domínio das matas e, por isso, possui outra função denominada “farmacopeia”.
Ou seja, o saci é o guardião das ervas e das plantas medicinais. Ele conhece suas técnicas de manuseio e de preparo, bem como de sua utilização acerca dos medicamentos feitos a partir de plantas.
A partir disso, em muitas regiões o Saci é considerado um personagem maléfico. Ele guarda e cuida das ervas sagradas presentes na mata, e costuma atrapalhar e confundir as pessoas que as coletam, sem pedido de autorização



Lenda da Cuca


A Cuca é uma personagem do folclore brasileiro, uma bruxa velha com aparência assustadora, possui corpo de jacaré e unhas imensas. Ela é dona de uma voz assustadora e rapta as crianças desobedientes.
Reza a lenda que a criatura dorme uma vez a cada 7 anos e, por isso, os pais tentam convencer as crianças de dormirem nas horas corretas pois, do contrário, serão levadas pela Cuca.
Uma das mais conhecidas cantigas de ninar, pertencentes às músicas folclóricas, assinala a presença desse ser mitológico e malvado muitas vezes chamado de Bicho-papão, a Cuca:
“Nana neném que a Cuca vem pegar,
papai foi pra roça, mamãe foi trabalhar.
Bicho papão, saia do telhado,
deixe a/o (nome) dormir sossegada/o”


Curupira



O curupira é um anão forte e ágil de cabelos ruivos, presente nas lendas do folclore brasileiro. A lenda do curupira diz que ele é o protetor das florestas, que mora na mata e vive fazendo travessuras.
Uma das principais características do curupira é possuir pés virados para trás. Dessa forma, ao caminhar, o curupira consegue enganar alguém que pretenda segui-lo olhando para suas pegadas. O perseguidor pensará sempre que ele foi à direção contrária.

Lenda do Curupira

Reza a lenda que o Curupira, conhecido, por outro lado, como “demônio da floresta”, que assobia e utiliza falsos sinais, reúne muitas histórias que envolvem mistérios inexplicáveis, por exemplo, o desaparecimento de caçadores bem como o esquecimento dos caminhos.
Dizem que com seus pés virados para trás, o curupira engana e confunde as pessoas que danificam seu habitat, por exemplo, os caçadores, madeireiros, lenhadores, etc.
Esse personagem folclórico não gosta de locais muito habitados e, por esse motivo, prefere habitar as florestas. Outra característica do Curupira é que gosta muito de fumar e de beber pinga.
Um dos mais destacados personagens do folclore brasileiro, a lenda do Curupira é conhecida e contada em diversos lugares do Brasil e, muitas vezes, ela pode ser confundida com outra: a lenda do Caipora.

Fontes pesquisadas: